26/07/2012

Rascunhos acumulados e explosão de palavras.

Queria voltar a ter o mesmo sorriso. Queria voltar a amar como eu amava, a pensar como eu pensava, a conversar como eu conversava. Guardei tudo pra mim, enquanto deu. Guardei, fiquei na minha, sem dar uma palavra. Ignorei tudo, mas parecia que tudo estava contra mim, se revoltando, caindo, me matando [...] Então, finalmente, chegou a hora que eu não aguentava mais; ninguém percebia que eu precisava de um ombro amigo; de um conselho legal e de uma vida melhor. Ninguém percebia que eu também tinha sentimentos e que as palavras me machucavam. Tudo causava uma cicatriz maior, e maior, e maior… E que talvez ela nunca sare, nunca cure, nunca cicatrize…


Quem sabe algum dia eu pare com essa minha bobice de amar as pessoas erradas, de ignorar as pessoas certas. Talvez algum dia eu tome vergonha na cara e comece a dar atenção aos que realmente merecem. Um dia aquela menininha doce cansa, cansa de estar sempre com o sorriso no rosto, sempre de bom humor. Eu sei, eu errei, mas com esses erros eu me tornei certamente mais fria, comecei a ignorar as coisas que me faziam sofrer, as coisas que me faziam derramar-me em lágrimas Hoje me sinto idiota de ter chorado por coisas tão bobas e inúteis, penso em como eu era boba de me derramar por algo assim, mas é a vida, cheia de altos e baixos. Um dia a gente aprende a chorar por aquilo que realmente precisamos.  A vida é assim, a lei da vida é assim, não tem nenhuma teoria concreta, não tem nenhum momento certo, as coisas simplesmente acontecem, surgem e desaparecem do nada. Não há nada que possa mudar isso, mas de alguma forma a vida não teria graça se não sofrêssemos por algo inútil e bobo, não teria graça se só fossemos felizes.


A vida é feita de momentos. Momentos alegres, momentos tristes, momentos idiotas. Cada momento tem uma lição, um exemplo, cada momento é diferente, mas cada momento é importante. Viva a vida, viva os momentos, pra que chorar? Pra que se matar? Pra que? Pra que fazer isso se isso é uma fase, é um nível, é um momento. Os momentos passam, as fases passam, mas o níveis evoluem. Então a cada nível da vida você tem quer estar mais forte, mais alegre, com mais fé. Não pode desistir no primeiro erro, no primeiro obstáculo . Porque se for pra desistir assim, não adianta nem tentar. Então não desista, persista… Faça que sua vida valha a pena e não fique chorando lágrimas pelo leite derramado. Tudo tem o seu tempo, tudo vai acontecer quando for pra acontecer, basta ter paciência que um dia tudo se ajeita, tudo dá certo, basta esperar.


Ei, sabe o amor? Ele é tosco, idiota, tonto, mas ele é sincero. O amor dói, o amor fode com todos nós, mas um dia o amor vai nos fazer feliz, vai nos fazer se arrepender de ter dito que o amor era uma merda. Tudo bem, o amor dói, e dói pra caralho, mas não é por doer um tempo que vai doer para sempre, não é porque hoje você tá mal, sangrando, se matando, que amanhã você estará desse jeito. Se é pra acontecer, acontece, se não é, não acontece. Então para de dizer que o amor só nos fode, porque na realidade não é assim. O amor é um sentimento tão sincero, leal que nunca vai embora. Muitos dizem que o amor é passageiro, mas se é passageiro então não é amor…


Sabe, eu não sei dizer o que vem acontecendo comigo, não sei nem ao menos dizer porque hoje eu estou assim, fraca, fria e dolorida. Isso simplesmente aconteceu, surgiu, isso simplesmente tomou conta de mim, devo estar assim por causa dos humanos, por causa das pessoas que eu poderia dizer que eram as mais ”próximas” e se tornaram as mais distantes, devo estar assim por causa deles. Tudo bem, eu não culpo ninguém por estar assim hoje, talvez eles me ensinaram a ser assim, fraca e fria, ai a dor já vem de brinde. Eu pergunto-me a todo instante: porquê? Porque eu? Porque justo eu?  Eu não entendo isso, e acho que talvez nunca entenda, a vida é assim, cheia de pessoas más, cheia disso tudo […] Mas sei lá, o que acontece dentro de mim só eu sei, ninguém imagina o que é passar por isso e piorar dia pós dia. Meus pensamentos, eles estão no além, no infinito, e a minhas dores, a-há...! Elas sim eu posso dizer que estão em todos os lugares. E as minhas feridas, e as minhas cicatrizes? Elas também estão em todo o lugar, já ocuparem o meu corpo totalmente, já fizeram de mim uma prisioneira. Agora só me resta esperar o que vai acontecer, eu estou assim: no morro não morro, no vivo não vivo […]

Nenhum comentário:

Postar um comentário

«
© Leve como a brisa - 2017. Todos os direitos reservados. Design e conteúdo por Natália Pacheco. Tecnologia do Blogger. imagem-logo imagem-logo imagem-logo