19/08/2013

Livros, brilho no papel e casamento

Essa já é a minha terceira tentativa de tentar ler em local público. Na primeira, todos os locais com sombra estavam lotados, na segunda os carros estavam desgovernados e agora, um bando de crianças está rindo por um motivo do qual não faço a mínima ideia. Talvez a alternativa de esparecer as ideias da minha amiga não fosse totalmente ideal para uma pessoa que já não está muito bem emocionalmente. Por ora, terminei meu relacionamento de pouco mais de três anos por não ter mais o mesmo sentimento pelo cara e ser culpada por toda a minha família por ter perdido o amor da minha vida. Amor da minha vida? Hmm, provavelmente não. Segundo minha amiga, ler em um local público seria uma ótima ideia para me acalmar, só que estou ficando cada vez mais irritada. Não pelas crianças, mas por mim.

Vamos tentar abrir o livro novamente. Abre. Fecha. Abre e... uau! Tenho a breve impressão de ter visto algo altamente brilhante. Deve ser algum detalhe do livro que na verdade não é meu, nem da minha amiga, mas sim do amigo dela. Oliver, acho que é esse o nome dele. Segundo ela, Oliver seria um bom partido para mim, como se eu estivesse preocupada com isso no momento. 

Para completar ainda mais a minha insatisfação, o clima também não está colaborando: o vento resolveu dar um oi radical. Admito: os dias não estão pra mim, ou talvez, eles nunca estivessem. O pipoqueiro disse que vai chover, talvez fosse melhor ir para casa... Me levantei, bati as folhas da minha roupa e já ia quase saindo quando lembrei-me do livro. O tal livro do qual minha amiga não parava de falar e que, inclusive, esqueci de todos os seus personagens e como que a história se desenrolava. Não, eu não li o livro ainda, foi tudo minha amiga que me contou e... bem, melhor pegá-lo logo para não me atrasar. Não tenho nenhum compromisso, mas os dias não estão para mim, posso ser atropelada ou algo do tipo. Uau, aquela coisa brilhando novamente, não seria nada demais dar uma olhada, seria? Afinal está no meio do livro.

E foi assim que essa coisa brilhando mudou minha vida, devo explicações a vocês? O brilho era de um marca-texto fluorescente e a "coisa" era na verdade um pedaço de papel. Mas não era só um simples pedaço de papel, era o pedaço de papel, que estava dentro de um livro, mas o livro não era simples também, era o livro. O pedaço de papel tinha os seguintes dizeres: contato em caso de amor perdido. E abaixo, um endereço de e-mail grifado com o marca-texto fluorescente. Bastou ter coragem para mudar minha vida. O e-mail, era na verdade de Oliver e assim que mandei algumas palavras embaralhadas, marcamos um encontro. Não foi um encontro, foram vários. E sabe aquela minha amiga que recomendou o livro? Foi madrinha de casamento. Mas não de um casamento comum, estou falando o casamento, do qual eu estava de branco atravessando um tapete vermelho e Oliver de preto, com o melhor sorriso do mundo.

12 comentários:

  1. Amei o blog, e já estou seguindo. Um super beijo e muito sucesso.

    Conheça o meu blog e participe: Você Divando

    ResponderExcluir
  2. Adooooooooorei, de verdade mesmo. Muito fofo e original esse tal de Oliver heim?! Uma história assim bem que podia acontecer comigo, coragem é o que não me falta. Na verdade já aconteceu muita coisa comigo, e ler textos como o seu me fazem realmente acreditar, o amor pode acontecer de novo, e de novo, e de novo. Uma pessoa vai embora, ou deixamos ela ir, mas outra nova vai chegar se deixarmos ela entrar... acho que foi umas das ideias que esse texto me passou.
    P.S.: Nem conhecia seu blog, e adorei tanto!
    http://sentirodrama.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Perfeito, você é uma escritora! Parabéns, fico muito bom <3
    xoxo
    http://www.universovanguarda.com/

    ResponderExcluir
  4. MEU DEUS! Aonde você tira tanta criatividade???? O texto tá lindoo, amei o Oliver! Bjus

    ResponderExcluir
  5. Ahh, assim fico apaixonada! Que fofo do texto, espero que conheça meu amor assim, quem sabe ela não sai do seu papel e vire realidade? Xii, a outra pegando ideia hahaha'... Aiai, só falo uma coisa: me apaixonei!

    Bjs
    http://paradise-of-madness.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Sem palavras. Definitivamente valeu apena ter lido! Amei, amei e amei.
    Como isso? Como você conseguiu fazer essa junção toda? Criatividade é outro nível, haha.
    Oliver, um cara que a mulher do texto dizia-se nem se importar e nossa, virou o noivo dela! Bem que a amiga falou hauahauh, ler em lugares públicos é um saco, ninguém colabora :/

    Sweet Teen

    ResponderExcluir
  7. Oii Naaat, que blog lindo seu, estou encantada com ele e com a forma leve que você escreve. Ainda bem que o brilho chamou atenção dela, será o destino? Bem que podia ser simples assim às vezes né...

    Beijinhos!!
    Meios Dias Gastos
    Facebook

    ResponderExcluir
  8. Ownnnnt, que fofura! Bem legal a forma como você narrou tudo: primeiro no presente, para que a gente soubesse o que estava acontecendo na hora em que estava acontecendo; depois, com essa surpresinha do final, onde a narradora personagem já tinha até casado! Sortuda, ela. Aposto que o Oliver era um cara digno de personagem principal de livro - e aposto que a história dela, depois disso, ficou ainda mais incrível.

    Beijos ♥ Jeito Único

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Adorei, que fofura o texto!
      Seu blog é muito lindo, adorei!
      Beijos, Camila.


      http://www.truquesdestyling.com.br/

      Excluir
  9. Que texto lindinho! Muito fofo! Quem dera se isso acontecesse comigo :( os caras que as minhas amigas acham que são certos pra mim, na verdade são totalmente "os errados", sabe? E eu sempre me decepciono quando conheço, porque não é aquilo tudo que elas falam e, bom, já sabe que o final não é nada agradável como esse que você descreveu no texto.

    xx,
    www.likeparadise.com.br

    ResponderExcluir
  10. Que texto lindo. Parabéns, escreve muito bem!!
    Beijos

    http://atitudevinte.blogsport.com.br
    https://www.facebook.com/pages/Atitude-Vinte/699051760121667?fref=ts

    ResponderExcluir

« »
© Leve como a brisa - 2017. Todos os direitos reservados. Design e conteúdo por Natália Pacheco. Tecnologia do Blogger. imagem-logo imagem-logo imagem-logo