03/02/2014

Ele. Ela. Eles.


Sentada sobre a cama, ela guardou sua décima terceira carta em uma caixa, junto com outras dezenas ainda não enviadas por falta de coragem. Ela não sabia o que realmente iria dizer através delas e tampouco sabia para quem as enviaria. As cartas, então, só ficavam lá.  Uma sobre outra, esperando que a pessoa que escreveu-ás tomasse alguma atitude.

Deitado no sofá, ele organizava seu décimo terceiro pensamento. Pensava no quanto sua vida mudaria dali para frente e no quanto isso o afetaria; pensava em quanto tempo teria e quando que finalmente a conheceria. E por lá, os pensamentos ficavam. Empilhados, um sobre o outro, esperando um dia fazer sentido.

Mas o que nenhum dos dois sabia, era que a chance já aparecerá milhares de vezes: eles teriam se conhecido se ela não tivesse trocado de turma; eles teriam se amado se ele já não tivesse namorada; eles seriam alma gêmeas se o destino não tivesse desistido tão cedo. Mas eles esperavam o grande talvez todos os dias e por mais que o destino não quisesse, eles queriam.

Eles gostavam da mesma música; tinham o mesmo hábito atrapalhado e ambos sabiam esperar. E por mais que ainda não se conhecessem, ela queria. Ele queria. E o destino também queria, embora negasse isso mil e uma vezes.

E eles ficaram lá: ela sentada sobre a cama e ele deitado no sofá. Ambos esperando a intervenção do além, quando, sem nenhum deles saber, é impossível o destino agir sozinho. A coisa era simples, eles só teriam de sair á passear, mas ambos negavam. E negavam. E negavam outra vez. E o destino também tentou outra vez, mas os dois eram orgulhosos demais para aceitar a ajuda do além.

9 comentários:

  1. Ótimo texto, Natália! Amei.

    www.princesadachina.com

    ResponderExcluir
  2. Amei seu texto! Pura realidade.. Beijos ♥

    Meu blog: http://karolinysantanna.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. O orgulho mata mesmo né? É complicado rs
    Beijão!
    Lari Alves,
    http://justlanna.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Ai gente, é isso mesmo que acontece! Adorei o texto e sua visitinha lá no blog!
    Já estou te seguindo e espero que me siga também p/ poder voltar mais vezes! Beijô!

    minhassingularidades.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  5. Que texto lindo! *-*

    Blog:
    http://rosaachiiclete.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Eu também preciso deixar de ser orgulhosa. Deixar de esperar que o destino resolva tudo na minha vida. Porque, independentemente do destino existir ou não, o amor pode acontecer. Em qualquer hora, qualquer lugar, querendo ou sem querer. Mas é preciso dar oportunidades... Eu preciso dar oportunidades. Eu preciso acreditar.

    (Cada parágrafo me inspirou de um forma impressionante. Acho que deu para perceber.)

    Beijos ♥ Jeito Único

    ResponderExcluir
  7. Que texto lindo. É bem assim que acontece... As pessoas esperam seu grande amor a vida toda, mas mal sabem que ele ja passou por elas, e que o destino já deu várias chances deles se encontrarem. Amei.

    http://www.nahboa.com/

    ResponderExcluir
  8. Nossa, amei o texto.
    Pura realidade mesmo.

    procurandosorrisos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

« »
© Leve como a brisa - 2017. Todos os direitos reservados. Design e conteúdo por Natália Pacheco. Tecnologia do Blogger. imagem-logo imagem-logo imagem-logo