28/07/2014

Aquela velha coisa sem sentido...


O som da natureza
A calamidade do inverno
Oh, céu... Essa é a sua proeza?
E entre tantas coisas, você ainda se diz eterno...

O borbulhar dos pássaros
A fumaça saindo da chaminé
Danificando os objetos caros
E essa poesia sem sentido... Qual é!

Escrever versos até é fácil
E com as rimas o Google te ajuda
Mas o poema não é dócil
E as palavras não tem coerência...
Então resolvo pedir logo: Deus me acuda!
Isso é pior do que carência...

Voltarei a natureza
Clamando por sua alta beleza
Pois lhe garanto de que esse poema
Tinha um bom tema
Mas imprevistos acontecem

E as ideias um dia desaparecem...

2 comentários:

  1. Natáaaalia <3 Como vai?
    Acho que já te disse várias vezes que você escreve muito, muito bem, não é? Pois vou dizer de novo u.u
    Eu ameeeeeeei o poema, ficou realmente lindo Nat!! Acho que melhor do que ter um poema com um tema é escrever um poema improvisado, e se esse improviso bem da Natália ai sim vai ficar perfeito! Você escreve mesmo muito bem, amo seus textos :33
    Beijoooooooooos *3*
    http://shake-de-morango.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Você tem uma escrita muito boa. Gosto de vir aqui e ler os seus textos, e justo esse era exatamente o que eu estava precisando ler. Aquela sensação de "é exatamente assim que eu me sinto". Isso é muito bom (:

    http://www.laoliphant.com.br/

    ResponderExcluir

« »
© Leve como a brisa - 2017. Todos os direitos reservados. Design e conteúdo por Natália Pacheco. Tecnologia do Blogger. imagem-logo imagem-logo imagem-logo