30/11/2014

Amor


O ato de amar, além de impiedoso, é hipócrita. Ora alegra, ora machuca. E não, não estou falando da covardia dos homens. Falo num todo: falo no amor direcionado não só ás pessoas, mas as coisas, aos animais, aos gostos e aos desgostos da vida. Se amar é inútil? Amar, apesar de todas a desavenças, é saudável. Amar é essencial. Ter amor é mais essencial ainda. Dane-se a decepção, dane-se o pensamento alheio: ame. Dane-se se você ama uma camiseta, dane-se se você ama uma loja, uma música, uma rua... É amor. E quando o amor é direcionado a qualquer coisa, desde que seja saudável, ele simplesmente acontece.

6 comentários:

  1. É ... ele simplesmente acontece... e é ótimo quando o amor existe na nossa vida ... o amor quando não é saudável não é amor...

    Adorei o texto!!

    Bjinhos
    JuJu
    asbesteirasquemecontam.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Adorei o texto, você tem talento hein? Beijo :3

    senhoritadeallstar.blogspot.com

    ResponderExcluir

« »
© Leve como a brisa - 2017. Todos os direitos reservados. Design e conteúdo por Natália Pacheco. Tecnologia do Blogger. imagem-logo imagem-logo imagem-logo