16/02/2015

O fim, enfim...

O silêncio agonizante da noite trás a saudade de quem um dia me deixou. O bater do vento na janela sopra o medo já esquecido. E as folhas cujo barulho se propaga no chão, vão dizendo, calmamente, que tudo tem um fim.

Que o “de sempre, pra sempre” logo deixa de existir. E que por mais difícil que seja, o fim, enfim, é o mais fácil caminho a ser seguido... Porque o fim, enfim, não nos permite criar especulações dos dias abobados que não tomamos atitude. O fim simplesmente larga um ponto final na história que mal começou, sem se preocupar com o que teria acontecido depois.

Um comentário:

« »
© Leve como a brisa - 2017. Todos os direitos reservados. Design e conteúdo por Natália Pacheco. Tecnologia do Blogger. imagem-logo imagem-logo imagem-logo