24/04/2015

A janela da alma


Da janela do carro posso observar, bem de longe, a imensa paisagem que está a esperar, ansiosamente, pela minha admiração. Da janela do carro posso observar, bem de pertinho, a destruição presente ao longo do percurso.

Da janela do carro posso pensar, bem devagarinho, no tempo que eu perdi pensando e pensando na vida. Da janela do carro posso lembrar, rapidamente, de como esses pensamentos insanos tornaram-se algo importante tempo depois.

Da janela do carro posso me perder, insanamente, entre a paisagem que me cerca, observando cada detalhe. Da janela do carro posso, principalmente, conciliar meus devaneios incertos com um sentimento que me afaga até a alma.

E da janela da alma, silenciosamente, perco-me em algo que ainda não solucionei.

3 comentários:

  1. Que texto lindo, um retrato perfeito vindo da alma, de como nosso mundo anda, e como nos sentimos quanto a isso.
    Sexo, Fraldas e Rock'n Roll

    ResponderExcluir
  2. Adorei o texto, tem uma simplicidade que encanta demais!
    Já deu uma passadinha no meu blog? Tá cheio de novidades. Se quiser dar uma olhada será super bem vinda, viu?
    Um beijo linda!

    www.tresestacoes.com

    ResponderExcluir
  3. Nossa, que texto legal e reflexivo... fui lendo e percebendo que me perco nas "janelas dos carros", e as vezes nem ao menos me lembro da minha reflexão. haha Beijão

    Coisa da Lud

    ResponderExcluir

« »
© Leve como a brisa - 2017. Todos os direitos reservados. Design e conteúdo por Natália Pacheco. Tecnologia do Blogger. imagem-logo imagem-logo imagem-logo