16/06/2015

Gay is ok


Não sou adepta a essas modinhas que rolam soltas por aí e quase nunca participo delas. Quase. O meu esquema é o seguinte: (a) analisar, (b) idealizar, (c) colocar em prática e (d) tirar minhas próprias conclusões. Às vezes ocorre de (e) eu sentir a necessidade de compartilhar meu ponto de vista com alguém, mas se eu me envolvesse em um falatório onde houvesse debate de pontos de vistas diferentes, poderia ser mal compreendida por causa das ambiguidades do meu discurso. Por isso, debater assuntos escrevendo acaba sendo a melhor solução.

Não sou uma idealizadora do Facebook e dessas tantas outras redes sociais que interferem no desenvolvimento positivo de nossas vidas, socialmente e rotineiramente falando. Mas, confesso: sou refém delas. Uma refém moderada, mas mesmo uma assim uma refém.

A questão é: o casamento homossexual foi aprovado em todo o território norte-americano. E isso é algo realmente muito bom. Obviamente, não troquei minha foto de perfil por outra para celebrar a causa. Nem serei submissa a algo do tipo. Não colocarei "gay is ok" em todas as descrições das minhas redes sociais. Mas não deixarei de ter o meu próprio ponto de vista sobre isso. E tampouco deixarei de dar glória ao amor.

Devemos celebrar o amor. Hoje, amanhã e sempre. Da forma que ele for. E isso deve partir de nós, de todos nós. Não importa o motivo de alguém gostar de outra pessoa do mesmo sexo. É amor. A religião não entra em discussão: Deus ensinou, ao meu ver, o amor. E pregou esse amor. Então não importa o resto: é amor. Ter consciência disso é o mais importante. A atração por pessoas do mesmo sexo não surgiu hoje, nem ontem, e talvez exista desde o início dos tempos. Não cabe a ninguém tentar entender tal fato. Afinal, ninguém tem esse direito.



Acontece que: gay is ok. Trocar a foto do perfil por outra nas cores do arco-íris: ok. Mas fazer comparações imensamente ridículas sobre a fome na África, por exemplo, não está "ok". Não está "ok" as pessoas decidirem se devem apoiar a causa dos animais abandonados, ou apoiar instituições de crianças carentes. Todos nós devemos apoiar isso. Todos. 

Não é ponto de vista: é realidade. É convivência. É amor. As pessoas não podem fechar os olhos para todos os problemas mundiais e se manterem atentas a apenas um: devemos estar em apoio. Em apoio às instituições carentes. Em apoio às crianças doentes e famintas. Em apoio à educação. Em apoio à saúde. Em apoio aos animais abandonados. E em apoio ao amor, principalmente.

3 comentários:

  1. Eu também vi essa comparação dos gays com a fome na África e fiquei impressionada com a capacidade do pessoal de não saber ficar calado. Não compreendo como uma opinião alheia assim vai alterar a vida dos outros; para que brigar por algo como isso?
    Gostei do post. É legal ver um blog que mostra a opinião em assuntos que os outros fogem.

    Beijos,
    Bi.

    - www.naogostodeunicornios.com

    ResponderExcluir
  2. Eu concordo com você. As pessoas abusam nas "comemorações" as vezes, políticas educação, não sei..
    Comparar ou inferiorizar fotos de crianças, ou de qualquer outra que seja é ridículo no mínimo.
    Eu achei uma super vitória deles e torço pelo amor em qualquer circunstância, mas nada de envolver outros tipos de preconceitos, isso só mostra como algumas pessoas são fracas de pensamentos.. e é por esse motivo que ainda existe muita fome, e também muito preconceito no mundo.

    www.vivendosentimentos.com.br

    ResponderExcluir
  3. Quem criou essa imagem foi extremamente infeliz!
    Acho incrível a hipocrisia tanto de quem criou como de quem compartilhou. Alguma coisa deve ser feita? Claro! Mas e por que esperar a iniciativa de um terceiro para apenas "se juntar" a ele? Cria você algo, ué! Vai atrás de ajudar as pessoas carentes do bairro onde você mora. Compartilham essas coisas mas não são capazes de doar 1kg de alimento para quem necessita. Hipocrisia sem fim!
    Gay is ok simmmmmmmmmmm, e não adianta ficar de mimimi
    O amor vencerá!

    Beijos,
    Duas Leitoras

    ResponderExcluir

« »
© Leve como a brisa - 2017. Todos os direitos reservados. Design e conteúdo por Natália Pacheco. Tecnologia do Blogger. imagem-logo imagem-logo imagem-logo