21/11/2015

Na dúvida da incerteza


Esses pensamentos incertos que inundam minha alma e afogam minha aura. Que afagam, sussurram, murmuram... Gritam, impedem e, por fim, desistem. 

E essas incertezas... que sobrevoam, pairam e pousam. Que colidem, sofrem e, ainda machucadas, sobrevoam novamente. Encontram-se nas desilusões e nas dúvidas; nas perguntas e nas respostas; no céu e na terra.

Belas incertezas, belas borboletas... que voam, voam, e, por fim, pousam.

3 comentários:

  1. Ei, são pequenos grandes extremos de um todo, mas apesar de claros, não tão visto por todos, mas tu os viu nessas belas palavras *.*

    xoxo

    ResponderExcluir
  2. Que gracinha!
    Admiro muito quem consegue fazer essas coisas tão bonitas com as palavras!
    Beeijos

    http://jubaqueen.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Nossa, que demais esse texto/poesia (?). Adorei muito, de verdade!

    Beijos,
    Bi.

    - www.naogostodeunicornios.com

    ResponderExcluir

« »
© Leve como a brisa - 2017. Todos os direitos reservados. Design e conteúdo por Natália Pacheco. Tecnologia do Blogger. imagem-logo imagem-logo imagem-logo