15/02/2016

O grande encanto está na essência


Às vezes fico pensando no quanto poderia ter dito e acabei por ficar calada. Não por falta de coragem, tampouco por medo: calei-me muitas vezes por compaixão.

Calei-me porque sabia, no fundo, que minhas palavras, apesar de serem sinceras, não causariam uma boa impressão. Ou, então, que provocariam uma sensação não muito agradável ao ouvinte. Calei-me porque eu não gostaria de ouvi-las, e talvez nem de pronunciá-las.

Se sinto por isso? Obviamente não. O silêncio por si só já diz mais do que o necessário, basta um tempo para interpretá-lo. Não vale a pena pronunciar palavras que não contenham sua própria magia: sem encanto, elas não valem nada. E quando as palavras perdem sua essência principal, o mundo a perde também.

3 comentários:

  1. E quantas vezes também eu me calei... Muitas vezes, de fato é o melhor.

    ResponderExcluir
  2. oi, oi.

    eu já perdi as contas de quantas vezes preferi calar à expor o que penso. mas, sabe, é a melhor coisa. nem sempre devemos dizer o que veem à nossa mente. saber filtrar tudo o que pensamos é uma dádiva.

    bjs!
    Não me venha com desculpas

    ResponderExcluir
  3. bah, é difícil, mas sim, muitas vezes é o melhor, há muitas palavras vazias já por aí, e por mais que em algum momento sentimos a vontade de proferir algo, a ocasião ou o fato não valem a pena.

    xoxo

    ResponderExcluir

« »
© Leve como a brisa - 2017. Todos os direitos reservados. Design e conteúdo por Natália Pacheco. Tecnologia do Blogger. imagem-logo imagem-logo imagem-logo