18/02/2016

O Natal de Poirot, de Agatha Christie


Se existe uma coisa que eu não poderia viver sem isso se chama investigação criminal. Sou completamente fascinada pelo assunto e amo quando o mesmo é retratado por meio dos livros. Não é à toa que gosto muito da Agatha Christie. O escolhido da vez foi "O Natal de Poirot" (lê-se poarrô), e foi lido justamente no mês de dezembro.

O cenário da história se passa em Londres e tem como protagonistas todos os membros que fazem parte da família Lee, basicamente. Simeon Lee é imensamente rico por causa das explorações de diamante que fazia quando era mais jovem na África do Sul e tem quatro filhos: Alfred Lee (casado com Lydia), David Lee (casado com Hilda), George Lee (casado com Magdalene) e Harry Lee, que não é casado, além da filha já falecida Jennifer Lee.



Simeon Lee resolve juntar toda a família para passarem o Natal juntos, já que fazem anos que isso não acontece, reunindo, desse modo, todos os filhos com suas respectivas esposas e mais alguns personagens à parte no seu casarão.  A história começa a ser contada no dia vinte e dois de dezembro e é finalizada dia vinte e oito, sendo dividida, portanto, em setes partes (e depois cada parte possui várias subdivisões). Um dos personagens é brutalmente assassinado e todos os outros acabam por se tornarem suspeitos, já que não existe a possibilidade do assassino (a) ser alguém de fora.

Poirot estava nas redondezas e se oferece para ajudar a desvendar o crime, juntamente com o coronel Johnson e o superintendente Sugden. E é nesse momento que história toma sentido e começa a de fato se desenvolver. Apesar de as primeiras páginas proporcionarem uma leitura mais lenta, já que são praticamente um gatilho para nos introduzir no meio da família, o que vem a seguir deixa tudo mais interessante, proporcionando um rápido avanço.




Agatha Christie é indescritível, então não há dúvidas quanto a sua escrita. Descobri quem era o assassino (a) bem antes do final e mesmo assim fui surpreendida. É preciso de um pouco de empenho para engrenar a leitura, ainda mais se sua edição for mais simples como a minha (infelizmente o visual de um livro conta muito, e esse exemplar em especial apresenta uma certa "dificuldade" de manuseio, já que as páginas parecem estar engomadas). 

Apesar da história se passar na época do Natal, não há nada de natalino no cenário além da cor vermelha — de sangue — encontrada no ambiente onde o assassinato ocorreu. Gosto dos livros da autora porque nos envolvemos completamente, podendo dar palpites sobre quem fez o que e seus respectivos motivos, além de desvendar ou descobrir junto com o Poirot quem cometeu o crime. Uma leitura incrível e válida para qualquer época do ano.

Editora: Nova Fronteira
Páginas: 223
ISBN: 9788520923603

2 comentários:

  1. Agatha Christie dificilmente decepciona. Nunca li um livro dela que eu tenha me arrependido. Muito boa a resenha e me deixou com MUITA vontade de ler. Tenho pouquíssimos livros dela, mas pretendo ter muitos! Boa sinopse e excelente resenha ;)
    Beijooos
    www.marinaalessandra.com

    ResponderExcluir
  2. Olá , tudo bem ?

    Agatha Christie é Fod# ( com o perdão da palavra ) , Ainda não li muitos livros dela. O que li recentemente foi " O Assassinato no Expresso do Oriente " , história muito bem desenvolvida que nos faz querer ler mais livros dela . Parabéns pela resenha , esse livro foi para minha lista .

    Beijos ,
    Gleyce Garcia.

    http://ps-believeandlive1.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

« »
© Leve como a brisa - 2017. Todos os direitos reservados. Design e conteúdo por Natália Pacheco. Tecnologia do Blogger. imagem-logo imagem-logo imagem-logo